Conjunto Habitacional Carabanchel

Madri, 2007.

Projeto; Foreign Office Architects, FOA  [1]

Imagens www.archdaily.com. Fotos Francisco Andeyro Garcia,Alejandro Garcia Gonzalez, Sergio Padura.


O edifício é feio como a necessidade, mas apresenta  uma das mais engenhosas soluções de proteção solar de que eu tenho conhecimento. Parece que tudo foi sacrificado em função do bem estar dos moradores, e os arquitetos o fizeram conscientemente, como se apreende da leitura do memorial descritivo, apresentado mais abaixo.

Memorial descritivo dos arquitetos

O terreno é paralelogramo de 100 ×45 m orientado norte-sul e limitado a oeste com um novo parque urbano e ao norte, leste e sul com blocos semelhantes, localizados em um novo empreendimento ao sul de Madrid. A legislaçãodefine o número e tipo de unidades, que têm de cumprir certas percentagens de áreas maiores e menores, e têm uma altura máxima, mas não o alinhamento dentro do terreno retangular.

Dada a adjacência com o futuro parque urbano e a orientação norte-sul do terreno, nossa proposta foi compactar o volume dentro da altura permitida, para que cada unidade tivesse dupla orientação Leste-Oeste. Para alcançar isso, as unidades tornam-se uma espécie de “tubos”  de 13,40 m de comprimento que conecta as duas fachadas e evita qualquer tipo de estrutura nas divisões internas dos apartamentos. Esta concentração no lado oeste do terreno permite-nos a possibilidade de providenciar um jardim privativo para as unidades no lado oriental, localizada acima da área de estacionamento para as unidades.

 As unidades residenciais são, portanto,  abertas a dois jardins diferentes em cada orientação, e suas fachadas são totalmente de vidro . Cada lado do edifício está equipado com um terraço de 1,5 m de largura ao longo da fachada completa que vai permitir uma utilização  possível semi-exterior de durante certas épocas. Esses terraços são fechados com lâminas de bambu montado em folhas que irão prover a necessária proteção contra a exposição ao sol forte Leste-Oeste, proporcionar segurança para as unidades e abrir totalmente os jardins laterais quando desejado.

Tem-se falado muito nos últimos anos sobre a exploração do potencial de tipos residenciais personalizados, bem como a possibilidade de uma aparência diferenciada das unidades de modo que os habitantes teriam a oportunidade de adquirir alguma forma de identificação pessoal  com suas residências. Mesmo que esta abordagem seja legítima e interessante, as experiências desenvolvidas até agora têm apresentado soluções arbitrárias de diferença, e algumas dessas identidades se tornam puramente coloridas e cosméticas.

O risco desta abordagem é a cair em algum tipo de ideologia contemporânea  provinciana, em que os habitantes urbanos estão olhando para as suas casas para ser diferentes e específicos, enquanto na verdade, uma das vantagens da vida urbana está na possibilidade de ser anônimo, de perder o tipo de identificação rural ou burguesa entre a casa e o seu habitante.

Estes tipos de empreendimentos absorvem recursos substanciais neste tipo de contorções cosméticas por vezes à custa da qualidade dos detalhes e  do espaço. Nossa experiência com este projeto de residências de baixo custo foi o de fornecer o máximo de flexibilidade de espaço e qualidade para as residências, e para apagar a visibilidade das unidades e suas diferenças em um único volume com uma pele homogênea capaz de incorporar algumas gradação de diferenças que não depende da visão do arquiteto, mas em cada desejo de habitantes.

Plantas

Detalhes


NOTAS

[1]  Foreign Office Architects (FOA) é um escritório de arquitetura internacional liderado pelo iraniano Farshid Moussavi e pelo espanhol Alejandro Zaera-Polo, fundado em 1995 e sediado em Londres, trabalhando em Desenho Urbano, Arquitetura e Interiores, para os setores público e privado. Combinando inovação técnica e excelência no design, o escritório tem produzido obras consagradas pela crítica e conseguido muitas premiações. Tem trabalhos no Japão, Estados Unidos, Holanda e Espanha.




About these ads

Uma resposta para “Conjunto Habitacional Carabanchel

  1. Juliete Reichert

    Oi Sílvio!
    Tenho visto vários edifícios usando essa estretégia de painéis em fachadas, é uma solução que vem sendo bastante “copiada” e adaptada, ao meu ver. Alguns edifícios são muito bonitos, mas o que acho mais interessante (visualmente falando) é o jogo de luz e sombra dentro das unidades. Belíssimo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s