Arquitetura do Século 21-I

10 MUSEUS DO SÉCULO XXI

_____________

MUSEU DE ARTE DE GRAZ 

Graz_Kunsthaus_vom_Schlossberg_20061126

Graz, Austria. 2003. Arquitetos Peter Cook e Colin Fournier

Área bruta 13 000 m2

Trinta anos depois do fechamento da revista Archigram, um de seus editores, Peter Cook, juntamente com Colin Fournier, dão vida a um edifício que em muito lembra as fantasias do antigo grupo. O “simpático alienígena”, como foi apelidado pelos austríacos, a nova estrutura biomórfica entre os telhados tradicionais tenta estabelecer um diálogo produtivo entre tradição e vanguarda. Segundo os arquitetos a proposta é que o edifício seja uma ponte onde passado e futuro se encontram. Qual uma bolha de ar, a pele azulada cintilante do museu flutua acima do seu piso térreo com paredes de vidro. Abrangendo até 60 metros de largura, a construção biomorfica envolve duas salas de exposição, sem grandes suporte adicional.

-KunstHaus - Cópia

Da superfície do acrílico  exterior projetam-se lanternins em forma de “bicos”  para admitir a luz do dia: eles são inclinados para  norte para proporcionar melhor  iluminação natural. Como um espaço multi-disciplinar para exposições, eventos e outros meios de apresentar a arte contemporânea, novas mídias e fotografia, a Casa de Arte de Graz possui uma complexa paleta de recursos e funções. Nos andares superiores, pontes ligam a nova estrutura de 23 metros de altura com o “Eisernes Haus”, cuja construção de ferro fundido – a mais antiga do seu género na Europa, classificada como monumento histórico – foi cuidadosa e habilmente renovada como parte dos trabalhos de construção da Casa de Arte.

À fachada leste foi aplicado um novo conceito arquitetônico chamado BIX, inicialmente desenvolvido pelos arquitetos alemães Realities:United. BIX consiste, no caso, em uma matriz de 930 lâmpadas flourescentes dentro da pele da fachada de Plexiglass, que podem ser ajustadas individualmente com uma infinita variabilidade de 20 quadros por segundo, podendo apresentar filmes e animações. Assim, o original conceito arquitetônico da pele é radicalmente redefinida, transformando a fachada em uma tele de computador de baixa resolução, Uma “pele comunicativa” que funde arquitetura, tecnologia e informação.

Kunsthaus-Graz 7 - Cópia

O pavimento térreo abriga um bar, salas funcionais, e diversas instalações de comunicação, um foyer, a partir do qual, uma rampa deslizante leva às salas de exibição no pavimento superior. Áreas de janelas transparentes permitem aos visitantes descortinar a paisagem externa. Funcionalmente e tecnicamente, a Casa de Arte possui todos os requisitos dos mais modernos museus do mundo em seus 11 000 m² de espaços úteis.

__________________

MUSEU UNIVERSITÁRIO NACIONAL DE SEUL

seul OMA 7

Seul, Coréia. 2005. Arquiteto Rem Koolhas [OMA]

Área Total: 4 478 m²

O projeto para o Museu da Universidade Nacional de Seul foi concebido partindo da  relação do campus com a comunidade e para servir como um elo entre eles.  A forma do projeto é definida por esta ligação e estabelece uma conexão de pedestres entre a comunidade e o campus. A massa flutuante  é modulada pelo caminho de circulação e pela topografia local. Esta massa é uma concha estrutural de aço em balanço  com um núcleo de concreto. A circulação através da construção é uma continuação do caminho.  Internamente a circulação bifurca  em espirais internas. Assim que se entra no edifício, a circulação proporciona conexões para diferentes atividades.

seul OMA 5 - Cópia

Há quatro áreas programáticas fundamentais: Exposições, Biblioteca, Educação e Operações.Os espaços educativos, a sala de aula e auditório, beneficiam-se a da inclinação formado pela forma geral, e internamente acomoda a platéia em rampa. A biblioteca ocupa o centro e núcleo estrutural do edifício. Caminhos da circulação periféricos e centrais criam dois laços em espiral, que permitem contigüidade na utilização do prédio. O espaço de exposições, localizado na parte superior, é projetado para expansão futura, permitindo a invasão dos espaços educacionais. Esta invasão e resultante multiuso dos espaços educacionais para fins de exposição são articuladas por um caminho de circulação rampado.

seul OMA 1 - Cópia

O volume monolítico está estrategicamente implantado para visões específicas do sitio, conseqüentemente expondo detalhes de seu quadro estrutural. O edifício é ainda definido por uma seleção de acabamentos e materiais, que articulam seus elementos de composição e requisitos funcionais.

seul OMA 6 - Cópia

__________________

MUSEU MERCEDES BENZ

Mercedes

Stuttgart, Alemanha. 2006. Arquiteto UN Studio. Ben Van Berkel

Área de exposição 16 000 m2

O novo Museum Mercedes-Benz , localizado junto à auto-estrada de Stuttgart, contém um espaço de exposição para o acervo histórico da Mercedes-Benz, que consiste em 160 carros, bem como uma loja do museu, um restaurante, escritórios e um lobby. Os visitantes vistam o museu de cima para baixo. Durante o passeio até o átrio, em um dos três elevadores, é mostrada aos visitantes uma apresentação multimídia.Os elevadores são como cápsulas com apenas uma grande fenda ao nível dos olhos, pela qual o visitante vê imagens da história da Mercedes-Benz projetadas nas paredes do átrio.

Mercedes 2 - Cópia

A partir do topo, o visitante pode tomar uma das duas rampas em espiral para baixo, a primeira leva às salas Legend, com a história da Mercedes, a segunda, a coleção de carros e caminhões. As duas trajetórias se cruzam continuamente, imitando as vertentes entrelaçamento de uma hélice de DNA, tornando possível aos visitantes mudar de trajetória.

13mercedes

Os dois tipos de espaços museológicos têm características diametralmente opostas. As salas Legend são fechadas e artificialmente iluminados como espaços teatrais.Entrar nelas é como entrar num palco. As salas de exposição têm iluminação natural, cercadas por enormes janelas panorâmicas. Os dois aspectos da coleção, os carros e os caminhões são organizados tematicamente, começando com os dois carros mais antigos, no piso superior , no espaço dedicado à invenção do carro.

Mercedes 9 - Cópia

As lendas são organizadas de forma cronológica. Mas esta cronologia não é rígida, sendo visitante livre para atravessar as zonas do tempo. O percurso e orientação são intuitivos e individuais. A organização oferece uma estrutura racional, a qual o visitante é livre de seguir ou desviar-se for atraído por um display ou recurso específico do programa. A estrutura é baseada num trevo, três círculos sobrepostos, cujo centro é vazio.

__________________

MUSEU DE ARTE DE DENVER

Edifício Frederic C. Hamilton

DAM_0000204(c)BitterBredt

Denver, Colorado. 2006. Arquiteto Daniel Libeskind

Área construída 4100 m³

O Edifício Frederic C. Hamilton, é uma ampliação do Denver Art Museum, projetado pelo arquiteto italiano Gio Ponti, em 1971, e abriga coleções de arte moderna e contemporânea, bem como coleções de arte africana e oceanica. O projeto do Edifício Hamilton inspira-se nos picos das Montanhas Rochosas e cristais de rocha geométricos encontrados no sopé perto de Denver.  Os materiais utilizados no edifício são em parte encontrados no contexto vizinho, e, em parte, inovadores, como os 9.000 painéis de titânio, que cobrem a superfície do prédio e refletem a luz do sol brilhante do Colorado. O projeto foi concebido como uma composição de espaços públicos, monumentos e via de transição entre o Centro Cívico e a vizinhança promovendo o desenvolvimento desta parte da cidade.

Denver Art Museum Aerial View of museum and Museum Residences(c)BitterBredt

DAM Paper Model Composite(c)SDL

Denver North-South Section from East(c)Studio Daniel Libeskind

Denver Contemporary Art Gallery(c)Bitterbredt

____________

MUSEU DE ARTE DE AKRON

Akron 2a

Akron, Ohio. 2007. Arquitetos Coop Himmelblau

Área da nova construção. 5 800m²

O edifício é dividido em três partes: O Cristal, a Caixa da Galeria, e o Teto Nuvem. O Cristal serve de entrada e funciona como conexão e distribuição. É um grande espaço flexível para múltiplos usos. A Caixa da Galeria é um espaço flexível, com poucas colunas, luz artificial controlada, para diversos tipos de exposições. O Teto Nuvem, que paira sobre os edifícios, funciona como um envelope virtual, que fornece sombra para o espaço externo e opera como um marco para a cidade.

A calefação e refrigeração do Cristal utiliza o conceito de microzonas climáticas e é condicionado pela otimização dos meios passivos e ativos. Para este fim, as lajes de concreto possuem tubos de água circulante. Segundo os projetistas, o sistema de piso radiante é mais eficiente que o sistema tradicional de circulação forçada de ar, porque se utiliza do conceito de massa térmica acumulada.

O edifício foi premiado com o RIBA International Award, Londres 2008 e American Arechitecture Award 2005, pelo Chicago Athenaeum, Illinois 2005.

Akron 6a

Akron 7a

_________

MUSEU HISTÓRICO DE NINGBO

Ningbo 1

Yinzhou, Ningbo, China. 2008. Arquiteto Wang ShuAmateur Architecture Studio,

O Museu Historico de Ningbo foi projetado pelo arquiteto Wang Shu, da firma Amateur Architecture Studio. À primeira vista, parece ter sido deixado no sítio trás por forças naturais, há séculos. Foi entretanto, cuidadosamente elaborado para assentar-se harmoniosamente ali. Trata-se de uma massiva forma escultural que faz referência às montanhas vizinhas. Seus muros foram construídos com tijolos reaproveitados de demolições. Sua silhueta compõe-se em escala com a vila tradicional que o abriga, porém utilizando uma linguagem contemporânea. As paredes de 24 m de altura, feitas de concreto sobre uma armação de bambu e madeira, têm uma pele contínua de vinte tipos diferentes de tijolos reciclados. Para esta empreitada, o arquiteto orientou artesãos em experimentos sobre painéis em tamanho natural.

Ningbo 3a

Esta técnica de fachada é inspirada em uma tradição local de construção temporária emergencial chamada alvenaria wapan..O museu é  uma tentativa de ressuscitar a tradicional arquitetura chinesa utilizando abordagens técnicas atuais. E ao lado de sua mensagem ecológica, o museu é também uma tentativa de projetar a história para fora do museu, para o benefício do público. Alem de abrigar obras históricas, no museu, em si, a história desempenha papel importante, que talvez até suplante a importância do seu acervo.

Ningbo 9 - Cópia

_____________

MUSEU IBERÊ CAMARGO

Ibere b

Porto Alegre, Brasil. 2008. Arquiteto Álvaro Siza.

Área construída 8 300 m².

Primeira obra de Siza no Brasil, foi construído para abrigar cerca de 4000 obras de Iberê. O arquiteto declarou que escolheu o concreto branco como um meio de estabelecer um diálogo com a moderna arquitetura brasileira, que tem uma importante tradição no que diz respeito ao uso deste material, além, é claro, da grande flexibilidade formal que o material permite. As nove galerias e rampas de circulação envolvem um átrio central, com as rampas projetando-se para o exterior como passeios elevados destacados da fachada. O edifício ainda conta com elevadores e escadas internas. O projeto contemplou preocupações com o meio ambiente, restaurando a paisagem do entorno, utilizando uma estação de tratamento de esgotos, baixo consumo de energia e reaproveitamento de água.

ibera_camargo_11a

________________

MUSEU DE ARTES DO SÉCULO XXI – MAXXI

Sem título

Roma, 2009. Arquiteta Zaha Haddid. 30 000 m 2

O museu, segundo a arquiteta, não é um objeto de recipiente, mas sim um campus para a arte, onde os fluxos e as vias se sobrepõem e se conectar, a fim decriar um espaço dinâmico e interativo. Embora o programa seja claro e organizada na planta, a flexibilidade de uso é o principal objetivo do projeto. A continuidade dos espaços faz com que seja um local adequado para qualquer tipo de exposição móvel e temporária, sem divisões de paredes ou interrupções. Já no átrio, os principais elementos do projeto ficam evidentes: paredes curvas de concreto, escadas suspensas pretas, luz natural vinda teto. Por esses elementos Zaha Hadid pretende “um novo tipo de espacialidade fluida de pontos de vista múltiplos e geometria fragmentada, projetada para incorporar a fluidez caótica da vida moderna”.

MAXXI Haddid 4 - Cópia

Esta declaração do arquiteto, como de costume dela, trouxe a questão se o conceito de fluidez desconstruída combinada com a identidade de uma cidade “estática”, como Roma, com a sua herança clássica. A resposta da crítica e do público tem sido positivas. Especialmente neste contexto, na relação com os tecidos existentes, a paredes curvas dialogam com as fachadas neo-clássicas simétricas. O novo organismo inclui em seu desenvolvimento a construção de front-side, por superfícies limpas e cego ao lado, declarando assim a viabilidade e a necessidade de convivência. O museu está bem inserido no sitio urbano, tirando dele suas diretrizes, e abrindo em suas alas panos de vidro para vista panorâmica.

MAXXI Haddid 7 - Cópia

Particular atenção foi dada à iluminação natural, pelas finas vigas de concreto no teto, em conjunto com sistemas de esquadrias de vidro. As vigas têm um mesmo trilho inferior a partir do qual peças de arte vão ser suspensas. As vigas, as escadarias e o sistema de iluminação linear guia os visitantes através da passagem interior, que termina no grande espaço do terceiro nível. A partir daqui, uma grande janelao ferece uma vista para a cidade, embora obstruída por um núcleo maciço. O museu participa ativamente da cidade – Roma, em sua primeira periferia, , ainda central mas afastada do antigo centro. O bairro Flaminio tem desenvolvido nos últimos anos um programa de renovação, de atração do público, como atesta a recente Auditório de Renzo Piano. O processo de construção do MAXXI completa a idéia de uma cidade renovada. Além disso, MAXXI é o primeiro museu nacional de arte contemporânea na Itália. Ele vai trazer atrair a atenção do público e da mídia, juntamente com atividades econômicas, tornando este museu um ponto central para Roma, contribuindo para sua identidade contemporânea. (archdaily.com)

___________________

MUSEU DE BELAS ARTES DE BOSTON

MBA Foster 1a

Boston.2010. Arquiteto Foster & Partners

Arquitetonicamente, o projeto ecoa os temas explorados no projeto  no Museu Britânico, combinando elementos de ligações antigas e novas e fortalecendo os laços com a comunidade, tornando o edifício mais aberto e acessível. O núcleo da idéia para o museu é a restauração da lógica do plano do antigo edifício do Museu Belas Artes, concebido pelo arquiteto GuyLowell.

Fundado em 1870, o Museu de Belas Artes é baseado em um plano Beaux-Arts concebido pelo arquiteto Guy Lowell. Restaurando a lógica do plano original, o eixo central do edifício foi reafirmado com a reintrodução da entrada principal para o sul, em Huntington Avenue e a reabertura da entrada norte. O centro deste eixo é um centro de novas informações, onde os visitantes começam a sua turnê.

museum_fine_arts_boston_fp270509_1 - Cópia

Foi inserido entre os dois pavilhões principais uma estrutura autônoma de vidro para criar a Ala De arte da Américas. Organizado em quatro andares, a nova ala aumenta significativamente o espaço de exposições do Museu, permitindo que cerca de 5.000 obras da coleção possam ser exibidas Foi é primeira vez que Foster + Partners projetou de forma exaustiva uma galeria completa. O projeto de 53 galerias foi o resultado de uma estreita colaboração com os curadores do Museu . O edifício central encontra o eixo do edifício principal, em um pátio existente de vidro. Isso cria espaços para os visitantes, um café, área de eventos especiais e acesso a outras coleções, e uma nova galeria para exposições especiais abaixo.

MBA Foster 4 - Cópia

MBA Foster 9 - Cópia

O conjunto foi projetado para ser energeticamente eficiente. Assim, o pátio é iluminado naturalmente e as galerias têm controle do clima. Os espaços de galeria são configurados para permitir arte a ser exibida com um sentido mais óbvio de clareza e de luz. Em torno do museu, um novo paisagismo foi concebido para reforçar os laços com o Back Bay Fens, projetada por Frederick Law Olmsted, arquiteto do Central Park de Nova York. O projeto da paisagem segue tradição romântica de Olmsted, com caminhos sinuosos e plantio informal para trazer o verde para dentro do edifício. Em particular, a paisagem Fens é atraído para o centro do Museu, encapsulando o novo pátio e Ala Norte-americana.(Archdaily)

boston_mfa_foster_04

museum_fine_arts_boston_fp270509_7

________________

MUSEU SALVADOR DALI

Salvador-Dali-Museum-Architecture-Design-900x741

St. Petersburg, Florida, USA. 2011. Projeto HOK

O novo edifício do Museu Salvador Dali , em St.Petersburg, Florida. de 6300 m² dobra o tamanho do edifício original de um pavimento do Museu Dali construído em 1982. Utilizando de forma livre, de geometria geodésica, o vidro triangular organicamente flui ao redor dos muros da caixa de concreto aparente rígida, um jogo de formas em oposição, protegendo as pinturas de Dali e, simultaneamente, o fornecimento de luz natural e abertura para a baía adjacente. Este é o primeiro uso deste tipo de forma livre de geometria geodésica nos Estados Unidos.

A escada em espiral, equipada com leves corrimãos de aço inoxidável causa um efeito hipnotizante nos visitantes. O contraste dos materiais apresenta uma justaposição sutil juntamente com um aceno óbvio fascínio de Dali com a dupla hélice e formas espirais da natureza.

dalimuseum-010411-7754-528x288

Sempre consideramos a experiência do visitante, quando projetamos um museu. Um grande número de pessoas que visitam um museu vai estar lá, pela primeira vez. A arquitetura deve ser extremamente fácil de entender. Ela pode ser muito aventureira e estimulante, mas as vias de circulação devem ser claras a partir do momento em que os visitantes chegam ao prédio “, diz Yann Wymouth, diretor de projeto do HOK Florida.

O conceito de projeto foi tirado diretamente do propósito do edifício. É inspirado tanto pela arte surrealista de Dalí quanto pela necessidade prática de proteger a coleção dos furacões que ameaçam a costa oeste da Flórida. “Salvador Dalí foi um pioneiro monumental de arte do século XX e esta é talvez a melhor coleção de sua obra no mundo“, disse Weymouth. “Nosso desafio foi descobrir como resolver os requisitos técnicos do museu e do sítio de uma maneira que expressasse o dinamismo do movimento da grande arte que ele realizou. É importante que o edifício dialogue com o surrealismo, sem ser banal.

1280516350-dali-museum-under-construction-1000x777

Foi deliberadamente utilizado o concreto aparente para reduzir a manutenção e permitir que ele seja um envoltório resistente naturais constrantando com a refinada precisão do “Enigma de vidro”,segumndo Weymouth. “Este contraste entre o mundo racional do consciente e o mais intuitivo e surpreendente mundo natural é um tema constante na obra de Dalí”.

Dalí era amigo e admirador de Buckminster Fuller, que foi pioneiro no trabalho com geometrias geodésicas e é um herói para Weymouth. HOK utilizada a um programa Modelagem de Informações de Edifícios (BIM) para criar modelos tridimensionais das formas de vidros.

“A forma livre e fluida de triangulação geodésica é uma inovação recente possibilitada por computadores modernos e fabricação controlada digitalmente, que permite que cada componente ser único”, explicou Weymouth. “Nenhum painel de vidro, nó estrutural ou barra é precisamente o mesmo. Isto nos permitiu criar uma família de formas que, embora estruturalmente robustas, mais se assemelham ao fluxo de líquidos na natureza.”

Dali museum helical-staircase-333x500  dalimuseum-11

Nas galerias de exposições, no terceiro andar, sete canhões de luz suspensos preto afunilam a luz do dia para as obras-primas de Dalí. Os espaços de exposição de arte estão ligados por uma galeria de escultura que aparece magicamente no centro do “ovo” clarabóia, proporcionando iluminação ampla e vistas deslumbrantes da baía de Tampa.

Dali

O edifício protege essa coleção de arte de valor inestimável dos furacões e maremotos. A estrutura-fortaleza foi projetada para suportar as cargas de vento de 260 km/h correspondente a um furacão de categoria 5. O telhado é de 30 cm de concreto de espessura e paredes de concreto armado de 18 centímetros de espessura. Localizado acima do plano de inundação, no terceiro andar, as obras estão protegidas de uma tempestade provocada por um furacão de 30 metros de altura . Portas reforçadas protegem as galerias. Especialmente desenvolvido para este projeto,os painéis de vidro triangular laminado de 3,5 centímetros de espessura, isolados e testados para resistir a ventos de 220 km/h, chuva e impactos de um furacão de categoria 3. (Archdaily)

Aviso

Uma resposta para “Arquitetura do Século 21-I

  1. Adorei!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s