Bruce Goff

Silvio Colin

A beleza explode quando é necessário; o artista a sente por dentro. E nenhum desalento pode detê-lo. (Bruce Goff)

Quase um desconhecido dos estudantes brasileiros, Goff é uma das maiores expressões da arquitetura romântica americana, utilizando-se sempre de materiais alternativos e formas inusitadas para expressar a sua explosiva criatividade.

Bruce Alonzo Goff nasceu em Alton, Kansas, 08 de junho de 1904. Foi uma criança prodígio. Com doze anos, foi aprendiz na firma Rush, Rush e Endacott de Tulsa, Oklahoma, e tornou-se sócio da empresa em 1930. Ele é autor, juntamente com sua professora de arte Adah Robinson, do projeto da Igreja Metodista Episcopal de Tulsa, na Boston Avenue, um dos melhores exemplos da arquitetura Art Déco nos Estados Unidos.
Igreja Metodista Episcopal de Tulsa. 1927-9. Adah Robinson e Bruce Goff. Imagem http://imaginativeamerica.com
Talvez nenhum arquiteto americano do século XX tenha sido tão destemido como Bruce Goff. Frank Lloyd Wright, chegou a aconselhá-lo a evitar estudar em uma escola de arquitetura, sob o risco de deixar de ser Bruce Goff, em primeiro lugar. Mas embora ele não tenha tido uma carreira acadêmica regular, tornou-se tão proficiente no magistério que foi nomeado chefe do Departamento de Arquitetura da Universidade de Oklahoma.

Seus projetos mostraram uma compreensão artística do idioma Prairie, de Wright. Mas cedo ele teria logo esgotado essa linguagem estilística em favor do modernismo internacional. Semelhante às Usonian Houses de Wright, suas casas, a partir de meados dos anos trinta,  são e simples e expedientes, mas seus desenhos eram elegantes declarações gráficas que iam além da necessidade prática. Para Bruce Goff, a arquitetura inspirava-se tanto no desenho como na música, escultura e dança. Ele também não observava fórmulas.

Em 1934 mudou-se para Chicago para trabalhar Alfonso Iannelli. Alguns de seus desenhos mostram a influência tanto do Construtivismo Soviético como da Bauhaus. Em 1942, ele também começou a lecionar na Academia de Belas Artes e o ensino tornou-se tanto uma forma de arte como de concepção. Seus alunos se lembram dele como o mais inspirado mentor, para quem o ato de criação era mais importante que o conhecimento de construção.

Casa Bavinger. Norman, Oklahoma. 1955. Imagem http://en.wikipedia.org
Casa Bavinger. Plantas. Imagens http://www.greatbuildings.com
Casa Bavinger. Corte. Imagem http://www.greatbuildings.com

Goff ingressou nas forças armadas como um Seabee[1] na Segunda Guerra Mundial, o que lhe permitiu viajar para a Califórnia, Alaska e Ilhas Aleutas. Sendo os materiais de construção escassos, ele criou quartéis, capelas e refeitórios militares usando materiais alternativos. Para o projeto de cabanas quonset[2] aplicava toda sua criatividade e conhecimento de geometria e estrutura.

Após a guerra, seu trabalho evoluiu para o expressionismo total. Sua experiência nas forças armadas com o uso dos materiais expeditos inspirou a utilização de pedra nativa para paredes serpentinadas, pedaços de vidro colorido para iluminação natural e suspendeu quartos em plataforma flutuantes, sustentadas por cabos. Esta era a idéia da Casa Bavinger.

Casa Price. Bartlesville, Oklahoma, 1956
Casa Price.
Casa Price. Interior
Casa Price. Planta

Não mais preocupado com o convencional, Goff explorou a utilização de qualquer material para efeito estrutural ou decorativo. Sua inspiração tinha fontes as mais variadas, como Antoni Gaudí, a música de Bali, Claude Debussy e estampas japonesas ukiyo-e. A obra madura de Goff não tem precedentes e ele tem poucos herdeiros, como o seus ex-assistentes, Bart Prince e Herb M . Greene.

Enquanto seus contemporâneos segiram o apertado caminho funcionalista, com coberturas planas e sem decoração, o idiossincrático Goff, buscava o efeito espacial, o uso de reciclados e materiais não convencionais, como tiras de papel celofane, bandejas de bolo, cacos de vidro, costelas Quonset Hut, cinzeiros, e até mesmo penas de ave, desafiando distinções convencionais entre ordem e desordem .

Casa Glen Harder. Mountain Lake, Minesota. 1970 Casa Glen Harder

Como todo grande artista, Bruce Goff simplesmente não tinha medo de errar, e, embora o seu caminho pudesse levar a resultados desastrosos em mão menos hábeis, nas suas tornavam-se pura poesia rustica.

Bruce Goff faleceu em 4 de agosto de 1982, deixando um legado raro de arquitetura expressionista, que ainda espera para ser melhor entendida e encontrar novos espaços.


[1] Seabees são construtores ligados à marinha Americana, encarregados de projetar e construer bases, estradas e uma grande variedade de construções de apoio às atividades militares.

[2] Quonset hut – Construção provisória muito utilizada pelas forças armadas dos Estados Unidos durante a Segunda guerra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s