Broadacre. A utopia de Wright.

Silvio Colin

Extraído de Utopies et avant-gardes. <http://utopies.skynetblogs.be>

Broadacre City é um conceito proposto por Frank Lloyd Wright nas últimas décadas de sua vida. A idéia foi apresentada no livro The Disappearing City de 1932. Alguns anos depois ele apresentou ao público uma maquete de cerca de 3,7 m por 3,7 m bem detalhada, feita por estudantes estagiários de Taliesin, na época o escritório- escola mantido por Wright.

Broadacre City era a antitese da cidade e a apoteose da recém-nacida vida suburbana, segundo a visão particular de Wright. Era, além de uma proposta urbana, um esquema político-social, pois a comunidade concebida pelo arquiteto nasceria de doações de lotes de cerca de 4 000 m² às famílias interessadas. Broadacre tem muito em comum com a Cidade-Jardim e as ideias de Ebenezer Howard.


Frank Lloyd Wright é considerado os EUA como um glória nacional: ele é sem dúvida um dos primeiros artistas americano que realmente conseguiram fama internacional. Ele é aquele que  melhor entendeu as possibilidades técnicas progressistas e as utilizou para fins estéticos na arquitetura. Empenhou-se em tirar a arquitetura dos pastiches ecléticos ligados ao passado. A melhor ilustração desta alforria da tradição é o seu trabalho com as plantas articuladas com o espaço interno, que ele chamou de Arquitetura Orgânica, um método oposto à práticas das vanguardas européias, que preiteavam a volumetria simples.

A orgânica do interior, a importância das paredes e superfícies planas, o papel das materiais naturais, a rejeição de qualquer tipologia em favor da diversidade e enriquecimento da paisagem,  são alguns dos principais elementos que caracterizam o trabalho diversificado deste arquitecto americano. Dizia que havia chegado o momento de a arquitetura reconhecer  a sua própria natureza, que, a seu ver, derivava da vida.

Broadacre City.

A arquitetura deveria tornar-se independente de  quaisquer constrangimentos  físicos, comerciais e acadêmicos para oferecer ao homem os meios práticos para se regenerar. Wright  acreditava que, por meio do planejamento urbano, o homem moderno poderia recuperar sua paz interior e garantir a sua verdadeira liberdade. O triunfo da arquitetura orgânica poderia levar o homem ao triunfo de seu ser e regeneração da sociedade.

Esta teoria de um novo assentamento, que é uma espécie de anti-urbanismo tem suas raízes na tradição do pensamento americano. Esta é a utopia que Broadacre Wright desenvolve em três livros sucessivos e ilustrou-o em 1934 por uma maquete gigante. Broadacre City quer ser a natureza da liberdade do espaço humano, reflexo.

Wright propunha a cidade fosse seria construída em um tal clima de simpatia para com natureza que a sensibilidade especial do sitio e sua beleza própria se tornaria uma qualificação fundamental exigida aos construtores de cidades.

Estradas gigantescas, que são elas próprias exemplares de grande arquitetura, passam diante de estações de serviços públicos  que incluem todos os serviços públicos necessários para os viajantes.

Broadacre consiste em um conjunto de unidades funcionais diversas e dispersas:

Imaginamos essas unidades funcionais integradas umas com as outras de tal modo que cada cidadão pode, a seu critério, dispor de todas as formas de produção, transformação, distribuição e fruição e pode apropriar-se dela no mais curto intervalo de tempo. Esta distribuição integrada aos padrões de existência, em íntima associação com o solo, é o que vejo abrangendo todo o nosso país, e toda sua extensão
Essa seria o “Broadacre City” amanhã. A Cidade torna-se a nação e os socialmente desfavorecidos poderão adquirir sua  unidade habitacional individual.
Todas essas unidades-padrão podem variar na sua montagem, de modo a harmonizar, conforme o caso, com áreas de horizonte plano ou montanhoso.

Os escritórios necessários para que as pessoas  exerçam suas várias profissões liberais seriam construídos especificamente para cada caso: eles se adicionam geralmente às casas, mas também poderiam fornecer elementos visuais secundários interessantes para a cidade.
Otimista, não política, não-urbana, rústica, é esta a nossa imagem de
da cidade. É a idéia de uma cidade viável, orgânica, e Democrática, advinda de uma sociedade criativa. Assim, não só deveríamos abolir “o apartamento alugado”, e escravidão assalariada mas criar o capitalismo real, o único capitalismo possível se a democracia tiver um futuro.


Yona Friedman observação sobre Broadacre, ele descreve como “o mais ousado estudo”:

É um sistema de aldeias agrícolas com centros regionais, todo na escala do carro, mas a experiência poderia ser tentada somente com agricultores, especialmente com as pessoas que amem a vida rural.

O modelo utópico de Broadacre é realmente um conjunto de doutrinas do século XIX  mais ligado a esperiencia teórica de três ou quatro gerações anteriores do que aos profetas do mundo novecentista.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s